quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Steiner Waldorf Schools Fellowship

Welcome

The Steiner Waldorf Schools Fellowship (SWSF) represents 35 Steiner schools, 51 Early Years settings, 4 Early Years training and 8 Steiner Teacher training courses in the UK and Ireland. It is the home of the European Council for Steiner Education bringing together some 630 schools in 22 countries and it is a partner in the Alliance for Childhood. There are over 958 schools, 1600 Early Years settings and 60 Teacher Training centres worldwide.

quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

Waldorf education

(also known as Steiner or Steiner-Waldorf education) is a pedagogy based upon the educational philosophy of Rudolf Steiner, the founder of anthroposophy. Learning is interdisciplinary, integrates practical, artistic, and intellectual elements, and is coordinated with "natural rhythms of everyday life". The Waldorf approach emphasizes the role of the imagination in learning, developing thinking that includes a creative as well as an analytic component. The education's overarching goal is to provide young people the basis with which to develop into free, moral and integrated individuals and to aid every child in the unfolding of his or her unique destiny. Schools and teachers are given considerable freedom to define curricula within collegial structures.

The first Waldorf school was founded in 1919; there are now more than 1000 independent Waldorf schools and 1400 independent Waldorf kindergartens located in approximately sixty countries throughout the world, making up one of the world's largest independent educational systems, as well as Waldorf-based government-funded schools and charter schools, Waldorf homeschooling environments, and Waldorf schools for special education. Waldorf methods have also been adopted by significant numbers of teachers within traditional state and private schools.

terça-feira, 29 de Janeiro de 2008

Waldorf Answers on the Philosophy and Practice os Waldorf Education

Welcome to Waldorf Answers!

There are quite a few web sites on the internet that deal with Waldorf education. Usually they are sites for a specific Waldorf school or an association of Waldorf schools.

This site is different. It is a private site, intending to provide answers about Waldorf education, in depth, that parents and prospective parents may have, and to clear up some of the misconceptions that may exist about Waldorf education. Our intention is to provide a straightforward presentation of the facts about Waldorf education.

Waldorf schools

Waldorf or Rudolf Steiner education is a unique form of education from preschool through high school, which is based on the view that the human being is a being of body, soul and spirit. The specific methods used in Waldorf schools come from the view that the child develops through a number of basic stages from childhood to adulthood. The Waldorf curriculum is specifically designed to work with the child through these stages of development.

Waldorf education was developed by Rudolf Steiner (1861-1925) at the beginning of the 20th century. It is based on Steiner's broader philosophy and teachings, called anthroposophy (literally, wisdom or knowledge of man).

Anthroposophy holds that the human being is fundamentally a spiritual being and that all human beings deserve respect as the embodiment of their spiritual nature. This view is carried into Waldorf education as striving to develop in each child their innate talents and abilities. Waldorf schools operate in a non-discriminatory way, without regard to race, gender, ethnicity, religion or national origin.

Some of the ideas in Waldorf education and anthroposophy are complex and require a degree of good will on the part of the reader to grasp. However, they form a coherent whole and Waldorf education, as documented by numerous studies and personal experiences, works well when done properly.

Waldorf methods schools

This site describes Waldorf education as practiced at schools consciously working out of an anthroposophical understanding and view of man.

There are also private and public schools which to varying degrees use "Waldorf methods". While Waldorf methods constitute selected aspects of the Waldorf curriculum and pedagogy, the teachers and administrators at such Waldorf methods or Waldorf inspired schools do not necessarily work out of a conscious or specifically anthroposophical view and understanding of the soul and spiritual nature of man. This distinction is discussed further in a separate section at this site.

The Waldorf movement

Today, the Waldorf movement is one of the fastest growing independent school movements in the world. Currently there are around 870 Waldorf schools world wide.

If you are a parent or prospective parent of a Waldorf school, we hope this site will provide you the background and answers to your questions, presenting the ideas of Waldorf and anthroposophy so that you are fully informed about the education you may choose for your children.

We also hope this site will provide basic information for anyone who may be interested in Waldorf education and its relation to anthroposophy as its philosophical basis.

If you think something is unclear and difficult to understand on the site, or have suggestions for improving it, please feel free to write to us about it.

Robert Mays and Sune Nordwall

segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

Waldorf Education in Canada

Welcome to the Waldorf Schools Information and Resource Site

Waldorf - Education of the Whole Child

This educational style that children love is embraced by one of the fastest growing school movements in the world. Currently there are over 2000 Waldorf schools and kindergartens in over 40 countries worldwide. The first school opened on this continent 75 years ago in New York City.

If you are a parent or prospective parent of a Waldorf child, we hope this site will provide you the background and answers to your questions. We have presented the ideas and the underlying educational philosophy behind the Waldorf pedagogy and its amazing curriculum so that you can become fully informed about the goals of the education that you are choosing for your family.

We hope this site will also provide basic information for anyone interested in training to become a Waldorf teacher, improving their own school or looking into the possibility of starting a new Waldorf school in their community.

If you wish to discuss this education in more detail please contact us at info@waldorf.ca

domingo, 27 de Janeiro de 2008

Why Waldorf Works (Everything you need to know about waldorf education)

Welcome

Welcome to Why Waldorf Works, a comprehensive site about Waldorf education sponsored by the Association of Waldorf Schools of North America (AWSNA).

Waldorf schools offer a developmentally appropriate, balanced approach to education that integrates the arts and academics for children from preschool through twelfth grade. It encourages the development of each child's sense of truth, beauty, and goodness, and provides an antidote to violence, alienation, and cynicism. The aim of the education is to inspire in each student a lifelong love of learning, and to enable them to fully develop their unique capacities.

Whether you are new to Waldorf education or a longtime enthusiast, Why Waldorf Works offers something for everyone, from our Waldorf Education primer to our extensive library of articles and scholarly research; from News & Events to directories of Waldorf schools and teacher-training programs throughout North America.

Why Waldorf Works is new! If you notice anything missing, or have feedback about the site, please let us know by contacting the editor at whywaldorfworks.org

Enjoy the journey!

sábado, 26 de Janeiro de 2008

Movimento da Pedagogia Waldorf no Brasil

Com muito entusiasmo da comunidade Waldorf e com um caloroso acolhimento do público em geral, a Escola Waldorf Rudolf Steiner, pioneira do movimento da Pedagogia Waldorf no Brasil, comemorou, no ano de 2006, o seu cinquentenário. Fundada em 1956 por imigrantes alemães, esta escola foi o berço das diversas iniciativas antroposóficas em todo o Brasil, dentre as quais citamos a Editora Antroposófica, que teve um papel importante ao publicar as principais obras de Rudolf Steiner em português, colaborando para a divulgação e consolidação da Pedagogia Waldorf no Brasil. Actualmente, a Federação das Escolas Waldorf no Brasil – FEWB, para atender à demanda do movimento Waldorf, também publica obras de cunho pedagógico de Rudolf Steiner e de outros autores e um Periódico que traz informações e artigos importantíssimos a respeito do movimento Waldorf na actualidade.

Fundada em 1998 como resultado da união de 11 escolas, entre elas a EW Rudolf Steiner que, na ocasião, contava com o sr. Jürgen Bartzsch na presidência, a FEWB começou a desempenhar sua missão de congregar todas as iniciativas relacionadas à Pedagogia Waldorf em um grande movimento. Foram anos de muito esforço e de grandes esperanças, pois, simultaneamente ao movimento de fundação de uma Federação das Escolas Waldorf, ocorreu no Brasil a promulgação da nova lei da educação nacional, trazendo novas perspectivas para o próprio movimento Waldorf.

Acreditamos que essa nova lei aprovada em 1996 foi fortemente influenciada pelo Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, conhecido como Relatório Jacques Delors, que foi organizado com a participação de especialistas de todo o mundo, de diversas linhas pedagógicas. Como deve estar na memória de todos, a contribuição da Pedagogia Waldorf se fez através dos Freunde der Erziehungskunst Rudolf Steiner que apresentou a memorável exposição realizada, por ocasião da 44 a. Conferência Internacional sobre Educação, em 1994, em Genebra – Suíça que, com o apoio da UNESCO, resultou na publicação de um belíssimo encarte sobre a Pedagogia Waldorf. Esse encarte foi muito utilizado para a apresentação da Pedagogia Waldorf para os interessados em geral, em diferentes ocasiões, pela FEWB.

Com a flexibilização do sistema educacional brasileiro como um todo e devido às diversidades culturais existentes em nosso país de dimensões continentais, novas experiências pedagógicas foram incentivadas, abrindo-se espaços para que propostas inovadoras pudessem ser apresentadas, como foi o caso da Pedagogia Waldorf. Porém, como nada é para sempre em nosso país, a tranquilidade das escolas Waldorf foi abalada por uma outra lei nacional, de 2005, que obriga os pais a matricularem seus filhos aos 6 anos de idade no Ensino Fundamental. Este é o assunto do momento e está provocando a mobilização de docentes e professores formadores, aliados aos médicos escolares, para aprofundamento dos conteúdos relacionados a esta problemática. Estamos contando também com a contribuição de instituições Waldorf do exterior que já tiveram experiência semelhante, que nos têm enviado textos que aqui serão estudados. Esta lei começará a vigorar em 2010 e até lá pretendemos ter promovido ações que venham a contribuir, de alguma forma, para a transformação da consciência dos educadores com relação à Educação Infantil.

Está em ascensão a procura pela formação em Pedagogia Waldorf, e o principal Seminário de Formação de Professores Waldorf que funcionava desde 1974 foi oficializado há 9 anos como curso de formação de professores, reconhecido pelo sistema educacional brasileiro, em nível pós-médio. Actualmente está sendo estudada a possibilidade de criação de um curso Superior de formação, e um curso de pós- graduação latu sensu foi realizado em 2006 em uma parceria entre a Escola Livre Porto Cuiabá, a Universidade Estadual de Mato Grosso e a FEWB. Existem ainda 7 localidades espalhadas pelo país onde são oferecidos cursos de Fundamentação em Pedagogia Waldorf, modalidade cursos livres, que também são bastante procurados. Temos a felicidade de também contarmos com os cursos de Formação em Euritmia e em Ginástica Bothmer.

Precisamos considerar que antes de 1998, além das 11 escolas fundadoras, havia outras que já manifestavam desejo de se tornarem escolas Waldorf e trabalhavam nesse sentido. Com a fundação da FEWB, elas receberam apoio através de projectos como o de assistência pedagógica e, em pouco tempo, se posicionaram, utilizando-se da Proposta Educacional Waldorf elaborada por pedagogos Waldorf, perante os órgãos governamentais como uma Escola Waldorf. Elas estão se esforçando para se tornarem escolas antroposóficas na sua essência, dando os passos necessários em direcção à Antroposofia. Para auxiliá-las nesse caminho, a FEWB, quando solicitada, oferece o projecto denominado Embasamento Antroposófico na Comunidade Escolar, no formato de palestras acompanhadas de workshop's artísticos sobre diversos assuntos de interesse da comunidade escolar em geral.

As escolas actualmente filiadas à FEWB são: 8 escolas que têm até o Ensino Médio, 18 escolas que têm até o Ensino Fundamental (algumas só até o 5 o. ano) e 27 Jardins de Infância independentes. Os 27 Jardins de Infância independentes estão agrupados em torno das 7 regionais espalhadas pelo território nacional e, através dessas regionais, estão filiados à FEWB. Desenvolve-se nas regionais programas de orientação multidisciplinar para os envolvidos com os jardins de infância, que contam com a participação de um médico escolar, um pedagogo e um profissional da área artística. Existem ainda 6 novas iniciativas que ainda estão sendo observadas e cuidadas como sementeiras das futuras escolas Waldorf.

Além dessas iniciativas que já nos fizeram propostas concretas e com as quais mantemos diálogos constantes, existem outras que nos consultam, quando não fazem apelos, pedindo ajuda para fundar escolas Waldorf. Essas consultas chegam, em média, a uma por semana. Essas inúmeras consultas nos têm tomado muita energia, pois não podemos simplesmente ignorá-las, considerando-se que são feitas na esperança de obter respostas para as reconhecidas dificuldades e carências sociais enfrentadas. Temos encaminhado muitos desses casos para nossa parceira Aliança pela Infância, cuja vocação é lidar especificamente com questões sociais ligadas à infância. Às outras, procuramos indicar caminhos que as façam entrar em contato com os princípios da Pedagogia Waldorf, a fim de tomarem decisões conscientes. Muitas dessas pessoas são aprendizes de Cursos de Fundamentação em Pedagogia Waldorf, o que nos tem facilitado o acompanhamento através dos Professores formadores.

Uma reflexão que sempre nos acompanha é que o momento actual de expansão de escolas Waldorf pelo Brasil exige que redobremos nossos esforços e em direcção à essência da Pedagogia Waldorf. É uma tarefa hercúlea que deve ser assumida pelos professores Waldorf indistintamente e, principalmente, pelos responsáveis pela formação de futuros professores Waldorf. É com esses professores que devemos contar no futuro.

Shigueyo Mizoguchi – pela FEWB

sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Federação das Escolas Waldorf no Brasil

A Federação das Escolas Waldorf no Brasil foi fundada em 1998 para agregar todas as escolas Waldorf existentes na época, cumprindo-se o que determinava o parecer do Conselho Estadual de Ensino do Estado de São Paulo. Na época, estava em andamento, entre os representantes das escolas Waldorf, um movimento para fundação de uma entidade representativa das escolas que viesse a substituir a Associação de Professores Waldorf, vigente na época. A publicação do parecer acima no Diário oficial do Estado fez apressar o processo e a fundação da FEWB aconteceu com 11 escolas. Hoje são 52 instituições filiadas.
Mais recentemente a FEWB bem recebendo o valioso apoio financeiro da Fundação Software AG, da Alemanha, no desenvolvimento de suas muitas atividades.
É importante registrar, ainda, três marcos significativos na trajetória da FEWB: o início da colaboração dos administradores das escolas formando uma Comissão de Administradores da FEWB, a filiação dos Jardins-de-Infância independentes através das 7 regionais e a criação do Fórum de Formadores de Professores Waldorf.

quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

Aprender em comunhão com a Natureza

(por Joana Silva Santos| 2007-07-17)

A Casa Verdes Anos nasceu da vontade de um grupo de amigos encontrar o melhor para os seus filhos. Três anos depois este espaço alternativo tem lotação esgotada. O próximo objectivo é ter o estatuto de escola de 1.º ciclo.

Chegados à Casa Verdes Anos, perdida entre árvores do Monsanto, em Lisboa, somos confrontados com a primeira diferença face a um estabelecimento tradicional de ensino: os sapatos da rua não entram. Somos convidados a calçar um protector de pano por cima do calçado ou, se preferirmos, a andar descalços. É assim em toda a casa. Os sapatos só são permitidos nos espaços exteriores e na hora de saída.

São estes espaços exteriores que nos fazem pensar que entramos numa casa de campo onde os avós recebem os netos e os seus amigos para brincar e aprender ao sabor da Natureza. Há árvores para subir, baloiços e carrinhos de mão de madeira para brincar - que foram feitos com a participação das próprias crianças -, cordas para subir, mesas nos telheiros para comer e aprender. O ambiente é familiar e o objectivo é que exista uma continuidade entre a família e a escola.

Elsa Childs, Joana Seixas e Sofia Leite - três elementos dos quatro casais mentores do projecto - não são fundamentalistas mas também não gostam do modelo tradicional de ensino. "As crianças devem experienciar a vida vendo as coisas acontecerem e experimentado e na maior parte das escolas há um descuido na abordagem directa às crianças", justifica Joana Seixas. Conheceram-se noutra escola, também alternativa, mas acabariam por sair para criar o seu próprio espaço. A Casa Verdes Anos - uma associação cultural sem fins lucrativos - surgiu fruto de uma preocupação comum a todos os seus fundadores: encontrar o melhor para os seus próprios filhos.

No início eram só as crianças dos quatro casais mas a palavra depressa passou de boca em boca e cedo começaram a surgir os filhos dos amigos e dos amigos dos amigos. A Casa Verdes Anos está prestes a fazer três anos e actualmente já conta com 62 «filhos», como lhes chama Elsa Childs. Todos os dias aprendem em comunhão com a Natureza. As tintas utilizadas não são tóxicas, o chão é encerado com cera de abelha, faz-se a reciclagem e compostagem do lixo, há uma horta - que já lhes trouxe a visita de coelhos e esquilos - e a alimentação é vegetariana e biológica. "O mais importante - dizem - são as crianças e o ambiente".

A filosofia deste projecto baseia-se na Pedagogia Waldorf, no Movimento da Escola Moderna e na educação para os valores. Acreditam que as pedagogias não são incompatíveis, permitindo trabalhar ao mesmo tempo o lado racional e emocional das crianças.

"Ensinam-se as crianças a gerir o tempo e a ganhar autonomia para perceber que têm de fazer actividades de várias áreas. Isto dá-lhes um sentido de organização e permite que sejam adultos sem stress e com capacidade para fazer várias coisas no mesmo dia. Há um maior respeito pelo outro e trabalham em cooperação para chegar aos mesmos objectivos e não em competição", explica Sofia Leite. Ao mesmo tempo, estimula-se a tolerância, o trabalho democrático e em grupo. O ambiente depurado das salas e de todo o espaço incita a imaginação, permitindo que os mais pequenos possam inventar o seu próprio mundo e exprimir-se livremente.

Reconhecem que "não existem projectos perfeitos" e afirmam que "o espaço não é uma redoma de vidro protectora". Aqui há obstáculos - a lareira, os paus, as pedras... - mas ensinam as crianças a viver com eles. Deste modo, como explica Sofia Leite, "as crianças estão habituadas ao ambiente e ganham confiança motora e emocional".

Para esta confiança das crianças muito contribuem os ritmos próprios existentes na Casa Verdes Anos. "Há um ritmo diário, semanal e anual que lhes dá cadência, previsibilidade e segurança", sublinha Sofia Leite.

O dia começa com um bom dia ao sol, à chuva ou à natureza, aos outros e aos animais. Seguem-se actividades de grupo que passam pela roda de canções ou por histórias que se repetem e que vão fazendo sentido para os mais novos. Os mais velhos têm ateliers ou actividades na floresta. Depois do lanche da manhã - uma refeição alternativa composta por palitos de sésamo, fruta e um chá no Inverno - e até à hora de almoço o espaço exterior recebe as crianças para brincar. A brincadeira é livre e repete-se à tarde, depois do lanche e até os pais os virem buscar. Uma actividade muito importante que os obriga a inventar as suas próprias brincadeiras e permite aos monitores conhecer o grupo de cada elemento. "Ali estão a ser eles próprios", salienta Sofia Leite.

Acabada a brincadeira segue-se a higiene e o almoço, que começa com um agradecimento à terra pelos frutos e legumes e termina com um obrigado pela refeição dito em 16 línguas. Terminado o repasto, os mais novos têm direito a uma história para adormecer que tem a particularidade de ser sempre a mesma de acordo com a estação do ano, mudando apenas quando muda a estação. Enquanto os mais pequenos fazem a sesta os mais velhos estão ocupados com ateliers que variam também consoante a altura do ano.

Outra característica deste espaço são as festividades. Com pais e crianças de diferentes culturas e crenças - há pais budistas, católicos, ateus... -, as festas ditas tradicionais dão lugar à celebração dos ciclos naturais da Natureza.

Não querem crescer mas sim mostrar que podem fazer a diferença. Estão limitados como associação e vivem das contribuições dos membros. Sofia e Elsa estão lá todos os dias como voluntárias e sem qualquer remuneração mas como elas próprias justificam "o projecto é nosso...". Os custos são muito elevados para quem não tem subsídios mas o espírito de voluntariado, o amor à camisola e ajuda dos pais compensam tudo o resto.

Insistem em querer "fazer coisas que marquem a diferença" por isso gostavam de vir a ter o estatuto de escola de 1.º ciclo. É esse aliás o seu actual objectivo.

Para já a aposta numa educação alternativa parece estar ganha e ter cada vez mais adeptos. Já foram procuradas por pessoas vindas do Porto, da Madeira ou do Brasil, porque queriam fazer o mesmo. E, sem qualquer publicidade, o espaço já está lotado. "O projecto tem o envolvimento dos pais e não é um local onde se deixa simplesmente as crianças. Há um investimento emocional", justifica Elsa Childs.

quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Os Patoquitas

“Brincar é o trabalho da infância. Quando a criança brinca, ela experiencia o mundo, com o seu ser completo.” Rudolf Steiner


A infância é um momento mágico. Essencialmente durante os primeiros sete anos, a criança tem uma insaciável necessidade de aprender. O seu desenvolvimento baseia-se no modo como ela absorve e experiencia o mundo que a rodeia. De forma natural e não consciente, absorve impressões que penetram todo o seu organismo. Os brinquedos simples feitos de materiais naturais apresentam uma pureza e harmonia que é de grande importância para o desenvolvimento equilibrado da criança.

Estes bonecos são especialmente desenhados para facilitar a necessidade que a criança tem de aprender, experienciar e criar. Estimulam o seu desejo de expressar uma variedade de sentimentos e emoções, durante a brincadeira. São quentes e macios, despertando a vontade de abraçar e acarinhar.

Todas as idades têm o seu próprio modo de brincar. Deste modo, são apresentados diferentes tipos de bonecos correspondentes às diferentes etapas de crescimento. Quanto mais crescida for a criança, mais definidos se tornam os bonecos.


FABRICO





Todas os bonecos são criações únicas, feitos em casa, manualmente, segundo a inspiração e tradição Waldorf. Para conferir a cada boneco um carácter único e individual, todos os detalhes são devidamente cuidados, desde a escolha dos materiais (lãs e tecidos), passando pelas cores, e pelo tipo de cabelo até ao feitio da roupa.

Os longos meses do inverno europeu e a abundância de lã de ovelha como matéria-prima, deram origem a uma forte tradição no fabrico artesanal destes bonecos. Mais tarde passaram a ter uma forte ligação com a Pedagogia Waldorf. Um pouco por todos os continentes abriram escolas baseadas no método de Rudolf Steiner e a tradição de fazer este tipo de bonecos continuou ligada à educação.

Todas as bonecas, fantoches, gnomos, fadas e animais que vão encher de magia todas as crianças são apenas feitos com produtos naturais.



As minhas primeiras bonecas:

terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

Rudolf Steiner (1861–1925) e antroposofia

Steiner, nascido austríaco, era a cabeça da sociedade alemão de Teosofia desde 1902 até 1912, quando se afastou e deu forma à sua sociedade de Antroposofia. Pode ter abandonado a sabedoria divina pela sabedoria humana, mas um dos seus motivos principais para deixar os teosofistas era que não tratavam Jesus ou o cristianismo como algo especial. Steiner não teve nenhum problema, contudo, em aceitar noções hindus como o karma e a reincarnação. Por volta de 1922 Steiner tinha estabelecido o que se chamou de comunidade cristã, com as suas liturgias e rituais para Antroposofistas. A sociedade de Antroposofistas e a comunidade cristã existem ainda, embora como entidades separadas.

Só quando Steiner atingia os quarenta e o século 19 estava prestes a terminar que se tornou profundamente interessado no oculto. Steiner tinha interesses na agricultura, na arquitectura, na arte, na quimica, no teatro, na literatura, na matemática, na medicina, na filosofia, na física e na religião, entre outros assuntos. A sua dissertação de doutoramento na Universidade de Rostock era sobre a teoria de Fichte sobre o conhecimento. Era autor de muitos livros, muitos com títulos como "A Filosofia da Actividade Espiritual" (1894), "Ciência Oculta: Um Esboço" (1913), "Investigações em Ocultismo" (1920) e "Como Conhecer Mundos Superiores". Foi atraído também pelas ideias misticas de Goethe e trabalhou como um editor de Goethe por diversos anos. E muito do que escreveu parece uma versão de Hegel. Pensou que Marx tinha errado, quem realmente conduz a história é o espiritual. Steiner fala mesmo da tensão entre a busca para a comunidade e a experiência do individualismo, que não são realmente contradictórios mas que representam as polaridades enraizadas na natureza humana

Os seus interesses eram amplos e muitos, mas pelo virar do século o seu interesse principal era literatura mistica, oculta e esotérica. Quando foi introduzido á teosofia encontrou um grupo de pessoas simpatizando com o tipo de opiniões ocultas e misticas para que era atraído, em especial a noção de uma consciência espiritual especial que fornecesse acesso direto a umas verdades espirituais mais elevadas.

Steiner pode ter-se afastado da Sociedade de Teosofia mas não abandonou o misticismo ecléctico dos teosofistas. Steiner pensou o seu Antroposofismo como "uma ciência espiritual". Convencido de que a realidade é essencialmente espiritual, quis treinar as pessoas a superar o mundo material e aprenderem a compreender o mundo espiritual pelo mais elevado, espiritual, eu. Ensinou que há um tipo da percepção espiritual que funciona independentemente do corpo e dos sentidos corporais. Aparentemente, era este sentido espiritual especial que lhe forneceu informações sobre o oculto.

De acordo com Steiner, os povos existiram na terra desde a criação do planeta. Os seres humanos, explicava, começaram como formas espirituais e progrediram através de vários estágios até alcançarem a forma de hoje. A humanidade, diz Steiner, está a viver actualmente o período de Post-Atlantis, que começou com o afundar gradual da Atlantida em 7227 BC... O período do Post-Atlantis é dividido em sete épocas, sendo a actual a época Europeia-Americana, que durará até ao ano 3573. Após esta, os seres humanos recuperarão os poderes de clarividência que possuíam alegadamente antes da época dos gregos antigos. [ Boston ]

Entretanto, a sua influência mais duradoura e significativa, tenha sido no campo da educação. Em 1913, em Dornach, perto de Basileia, Suiça, Steiner construiu o seuGoetheanum, uma "escola da ciência espiritual." Esta seria uma percursora das Escolas de Steiner ou de Waldorf. A designção de escolas de "Waldorf" vem da escola que pediram a Steiner para abrir para as crianças dos trabalhadores da fábrica de cigarros de Waldorf-Astoria em Estugarda, Alemanha, em 1919. O proprietário da fábrica tinha convidado Steiner para dar uma série de conferências aos seus trabalhadores e ficou aparentemente tão impressionado que pediu a Steiner para criar a escola. A primeira escola Waldorf nos E. U. A. abriu na cidade de New York em 1928. Hoje, os Steinerianos afirmam que existem mais de 600 escolas Waldorf em 32 países com aproximadamente 120.000 estudantes. Aproximadamente 125 escolas Waldorf operariam na América do Norte. Algumas destas escolas devem ser bastante grandes pois outras, como a de Davis, Califórnia, que não pode servir mais de cem ou duzentos alunos. Igual para Portugal: é indicada a Escola Primavera em Lagos. Ou isso, ou o numero de alunos está largamente exagerado. Há mesmo uma não-acreditada Rudolf Steiner College oferecendo graus em Estudos Antroposoicos ou em Educação Waldorf. De qualquer modo, a Igreja Católica não está em perigo. O seu sistema de escolas é incomparavelmente mais numeroso que o de escolas Waldorf.

Steiner desenhou o curriculum dessas escolas em volta de noções que aparentemente obteve de um guia espiritual sobre a natureza da Natureza e a natureza da Criança. Ele acreditava que somos constituidos por corpo, espirito e alma. Ele considera que as crianças passam por três estágios de sete anos cada e que a educação deve ser apropriada ao espirito em cada estágio. Do nascimento aos 7 anos é um periodo para o espirito se adaptar ao mundo material. Nesta fase, a criança aprende por imitação, diz ele (Aristóteles tambem, já agora). O conteudo escolar é mantido num mínimo durante estes anos. Contam-lhes contos de fadas, mas só aprendem a ler no segundo estágio. Aprendem o alfabeto e a escrever no primeiro estágio.

De acordo com Steiner, o segundo estágio é caracterizado pela imaginação e fantasia. As crianças aprendem melhor dos 7 aos 14 pela aceitação e emulação da autoridade. A criança tem um unico professor durante este periodo e a escola torna-se uma "familia" com o professor como o "pai" autoritário.

O terceiro estágio, dos 14 aos 21, é quando o corpo astral entra no corpo fisico, causando a puberdade. Estas ideias antroposoficas não fazem parte dos curriculuns das escolas Waldorf, masFAQ, "escolas Waldorf... tendem a ser espiritualmente orientadas e são baseadas numa perspectiva genéricamente cristã.....a orientação espiritual é dirigida para o despertar da reverência natural da criança para a maravilha e beleza da vida.... é função do professor trazer todo o conjunto da criança para uma posição de equilibrio."

Mesmo assim, devido a não ensinarem fundamentalismo cristão biblico, as escolas Waldorf são atacadas por encorajarem o paganismo e mesmo o satanismo. Isto pode dever-se a enfatizarem as relações dos humanos com a Natureza e ritmos naturais. Uma escola elementar de Sacramento abandonou a sua escola Waldorf dentro da escola quando queixosos fundamentalistas vocais começaram a uivar sobre pagãos e diabos.

Algumas das ideias das escolas Waldorf não são de Steiner, mas tentam harmonizar as orientações espirituais do mestre. Por exemplo, ver televisão é desencorajado devido ao seu conteudo tipico e porque desincentiva o crescimento da imaginação. É uma aproximação melhor que o V-chip. É dificil encontrar algum valor positivo para crianças na televisão. Quando as crianças são pequenas devem socializar, falar, ouvir, interagir com a natureza e as pessoas, não sentarem-se num estado catatónico em frente a um tubo catódico. Não sei o que os professores de Waldorf pensam dos jogos de video, mas ficaria surpreendido se não os desencorajassem pelas mesmas razões da televisão.

As escolas Waldorf tambem desencorajam o uso de computadores por crianças pequenas. Tambem penso que isto é correcto. Os beneficios do uso de computador por crianças ainda está por provar, apesar de ser geralmente aceite por educadores que gastam milhões em equipamento para alunos que muitas vezes mal sabem ler ou pensar criticamente, e teem o minimo de capacidades sociais e orais. As escolas Waldorf, por outro lado consideram essencial tecer, tocar um instrumento, gravar madeira, pintar, etc. Penso que para uma criança é mais benéfico que saber navegar na Internet à procura de informação sobre "tigres"

Uma das partes mais invulgares do curriculum é o que Steiner designa por "euritmia," uma arte do movimento que tenta tornar visivel as formas internas e os gestos da linguagem e da musica. De acordo com a FAQ, "isto muitas vezes baralha os pais, [mas] as crianças respondem aos seus ritmos e exercícios simples que ajudam a reforçar e harmonizar o seu corpo e as suas forças de vida; mais tarde, os alunos mais velhos trabalham em elaborados representações euritmicas de poesia, drama e musica, ganhando assim uma percepção mias profunda das composições e dos escritos. A euritmia reforça a coordenação e fortalece a capacidade de escutar. Quando a criança se experimenta como uma orquestra e tem de manter uma clara relação espacial com os outros, um reforço social ocorre." Isto parece uma mistura de dança interpretativa e ginástica.

Talvez a consequência mais interessante da visão de Steiner foi a sua tentativa de instruir os diminuidos fisicos e mentais na base de que é o espirito que atinge o conhecimento e esse é o mesmo em todos nós.

Devo dizer que acho Steiner um homem decente e admirável. Ao contrário de outros gurus "espirituais", Steiner parece ter sido um homem moral que não tentou seduzir os seguidores e se manteve fiel à sua mulher. Não se pode por em questão os seus contributos em muitos campos, embora como filósofo, cientista e artista raramente se ergue da mediocridade e singularmente não original. E, claro, acho as suas ideias espirituais menos que crediveis e certamente não cientificas. Quanto ao ponto de vista sobre a educação os sentimentos são mistos. Penso que tem razão ao notar que existe um perigo no desenvolvimento da imaginação e compreensão dos jovens se as escolas ficam dependentes do governo. Os estados dão a enfâse a curriculuns que servem o Estado, isto é, economia e politicas sociais. A educação não é posta ao interesse da criança, mas das necessidades económicas da sociedade. A competição que dirige a maior parte das escolas pode beneficiar a sociedade, mas não beneficia os individuos. Uma educação onde cooperação e amor, em vez de competição, marca o essencial da relação entre estudantes é muito mais benéfica para o bem estar intelectual, moral e criativo dos alunos.

Por outro lado, é pouco provável que algumas noções mais estranhas como corpo astral, Atlantida, etc, não passem na educação numa escola Waldorf, mesmo se essas teorias não fazem parte do curriculum para crianças. É tão dificil defender o amor e cooperação sem ter por base um mito cósmico? Porque temos de saltar para um lamaçal mistico para defender o mal feito a um individuo por uma vida passada a perseguir as possessões materiais com pouca preocupação com o dano causado a outros seres humanos ou ao planeta? Porque temos de nos queixar da falta de espiritualidade pelo mal à nossa volta? Podemos queixar-nos de espiritualidade a mais: as pessoas espirituais pensam tão pouco no mundo material que não fazem o suficiente para tornar este mundo melhor. Porque não podem as pessoas contar histórias, dançar, cantar, criar obras de arte e estudar quimica, biologia e fisica para aprender sobre o mundo natural, sem todo o processo ser ou um meio de garantir segurança material ou harmonizar a sua alma com uma espiritualidade cósmica? As crianças não devem ser sobrecarregadas nem com espiritualismo nem com materialismo. Devem ser amadas e ensinadas a amar. Devem crescer numa atmosfera de cooperação. Devem ser apresentadas ao melhor que temos a oferecer na natureza, arte e ciência de tal modo que não tenham de ligar tudo às almas ou ao emprego futuro. Infelizmente a maioria dos pais não defendem tal educação.

segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

Lazzarus (site sobre pedagogia Waldorf)

Ana é portuguesa e lembra-se vividamente do 25 de Abril 1974, e tem trabalhado arduamente para realizar alguns dos sonhos (não materiais) que os Portugueses ousaram, então, sonhar. Ela recolheu e ainda colhe experiências como terapeuta artística e biográfica no Brasil e em Portugal e ainda como Jardineira de infância Waldorf e formadora de jardineiras de infância Waldorf no Brasil, Inglaterra, Portugal e Espanha. Ela gosta muito de viajar até Inglaterra e especialmente de visitar os seus jardins.

Michael é britânico mas já em criança recolheu quatro anos de experiência mediterrânica na ilha de Malta. A arte sempre teve um papel importante na sua vida, primeiro como escritor e poeta e mais tarde como escultor. Durante vários anos trabalhou em comunidades terapêuticas que hoje podem ser denominadas como "ecovillages", vivendo e convivendo com pessoas com necessidades especiais.

Do nosso ponto de vista há um interesse crescente na pedagogia Waldorf . Assim tentamos encorajar as pessoas nas suas iniciativas, sendo o 1º passo a participação no curso de formação para professores e educadoras Waldorf. Subsequentemente a esta formação oferecemos workshop´s de pintura, modelagem, escultura ou trabalho biográfico para que as iniciativas possam ser fortalecidas pelo crescimento interior dos indivíduos ou para que os processos sociais necessários para sustentar uma iniciativa, sejam vivos e mais conscientes.

in Lazzarus

domingo, 20 de Janeiro de 2008

Associação de Medicina Antroposófica de Portugal

A Medicina Antroposófica é uma ampliação da medicina acadêmica que busca compreender e tratar o ser humano considerando sua relação com a natureza, sua vida emocional e sua individualidade.

Em Portugal, a Associação de Medicina Antroposófica – AMA é a instituição responsável pelo ensino, pesquisa e divulgação dessa prática médica.

A AMA nasceu de um impulso social - criar uma associação que defendesse a liberdade de escolha no âmbito da saúde. Posteriormente à volta desse impulso reuniram-se terapeutas e utentes da Medicina Antroposófica e esse foi o núcleo inicial que oficializou, deu nome e estatutos à associação; durante algum tempo um pouco “adormecida”. A associação voltou a ganhar dinamismo com a chegada de um novo médico e o trabalho que se tem vindo a desenvolver no Consultório Rafael.

As metas da AMA são desde o inicio:
• dar a conhecer a medicina antroposófica implementando encontros, colóquios e seminários.
• fomentar uma atitude de maior consciência por parte de todos os intervenientes no processo de criar “SAÚDE” – médicos, farmacêuticos, terapeutas e utentes.
• criando um centro onde possamos obter informação livre e objectiva sobre temas de saúde – “Prós e contras da vacinação”, as várias abordagens do tema “Alimentação”, etc …
• dialogar com instituições com fins semelhantes. Sermos considerados um parceiro social que poderá dar o seu contributo (ser ouvido) em questões ligadas à saúde.
• criar um espaço na internet e folheto informativo com regular periodicidade que nos ponha em contacto com o público em geral e os nossos associados.

in "Lúcia-Lima", Boletim da AMA, Ano 1, nº 1, Dezembro de 2007


Contactos

internet: www.ebas.de/ama (em caracter provisório)
e-mail: consultorio.rafael@sapo.pt (em caracter provisório)
morada: Av. de Roma 51, 5.dto, 1700-342 Lisboa
telefone: +351-217971719
telefax: +351-217971721


Eventos

Palestra - Vacinas? Dra. Manuela Tavares (Local a confirmar) 16.02.2008

Palestra - Euritmia Marije Grommers, Dra. Manuela Tavares, Dr. Mauro Menuzzi (Quiron - Lisboa, Hora a confirmar) 04.04.2008

quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008

Loja Virtual "Antroposofica"

Uma loja virtual de produtos e livros Waldorf, com entrega em Portugal e pagamento por mastercard!!!

Princípios da Pedagogia Waldorf para Educação Infantil

“Educar para o futuro” significa encarar, a partir da própria organização escolar os principais desafios que a actualidade nos propõe.

Na Pedagogia Waldorf dá-se uma importância fundamental à educação no primeiro septénio (dos 0 aos 7 anos de idade) por tratar-se da fase da vida na qual é desenvolvida a organização do corpo físico. A educação visa proporcionar um corpo são para torná-lo um melhor instrumento de expressão e actuação durante todo o aprendizado futuro.

Nessa fase a criança aprende a adequar-se aos apelos do mundo por meio da imitação das pessoas e das ocorrências ao seu redor.

Diante de uma infinidade de opções de ambientes e estímulos externos consequentes do desenvolvimento da humanidade actual, cabe a nós adultos escolhermos a qualidade do ambiente e atitudes dignas de serem imitadas pelas crianças.

Ao observar as crianças, hoje, temos a impressão de que elas já nascem bem mais maduras do que as crianças de 30, 40 anos atrás. Ficamos impressionados diante da postura, do olhar, de todo o comportamento das crianças pequenas de hoje.

Uma das perguntas fundamentais da educação atual é como lidar com essa aceleração do desenvolvimento da criança. Será que, de fato, a solução consiste na antecipação dos conteúdos de ensino? Ou as crianças estão esperando outra solução para as suas necessidades?

A solução está na real compreensão fisiológica e psicológica do desenvolvimento da criança, e a partir dessa compreensão profunda, temos a tarefa, como adultos responsáveis pela formação da criança, proporcionar o ambiente e situações propícias para o seu desenvolvimento durante esse período em que ela depende tanto de nossas decisões sensatas.

quarta-feira, 16 de Janeiro de 2008

Uma pedagogia alternativa

A pedagogia Waldorf, introduzida em Portugal em 1984, aposta na liberdade de desenvolvimento das crianças, valorizando nos primeiros sete anos de vida o aspecto sensorial, em detrimento do intelectual.

Trabalhar a favor e não contra a tendência natural das crianças para serem activas, valorizar as experiências sensoriais nos primeiros anos de vida e viver ao ritmo das estações do ano, são alguns dos princípios da pedagogia Waldorf, ainda pouco divulgada em Portugal.

De facto, apenas dois jardins-de-infância portugueses incluem actividades como modelar cera de abelhas, costurar panos coloridos, amassar e cozer pão, trabalhar com materiais naturais, como troncos de madeira, conchas e cortiça, ou tratar da horta e do jardim. Estas são actividades que, segundo a corrente pedagógica Waldorf, desenvolvem os sentidos das crianças, estimulam a imaginação, a vitalidade e a alegria de viver, apostando sempre numa maior ligação e respeito pela Natureza.

Ana Abreu, fundadora do Jardim-de-Infância S. Jorge, em Alfragide, onde se encontram crianças entre os 4 meses e os 6 anos, introduziu esta pedagogia alternativa em Portugal, em 1984. Segundo explica esta educadora, a abordagem que o método Waldorf faz nos primeiros anos de vida centra-se mais no desenvolvimento motor e sensorial da criança, deixando para segundo plano os aspectos intelectual e cognitivo.

"É muito importante que as crianças brinquem livremente e que expressem aquilo que elas realmente sentem, ou seja, não a partir das nossas agendas, mas a partir daquilo que elas necessitam desenvolver e criar".

A formação Waldorf inclui as vertentes científica, artística e estética. "A nossa prioridade é que a criança se revele como um ser único, e portanto aquilo que lhe damos enquanto ambiente educativo é para ela se desenvolver de acordo com a sua própria vontade, com o que sente que precisa. Isso não quer dizer, no entanto, que ela não tenha limites no seu processo de desenvolvimento", afirma.

Ana Abreu prefere usar o termo "processo de desenvolvimento" a "processo educativo", porque acredita que as crianças não se educam: "Há certos parâmetros que são comuns a todos nós, mas há outros que são completamente individuais, que não são educáveis, antes pelo contrário, são aquilo que cada criança traz. Um aspecto individual que é único e com o qual todos nós também aprendemos", explica a responsável.

Mais a sul, no concelho Lagos, a alemã Eva Herre fundou em 1992 o Jardim Infância Viva, em Barão de São João, que actualmente conta com 30 crianças.

Além da vertente artística, Eva Herre salienta também que a pedagogia Waldorf está muito enraizada no respeito e na admiração pelo Mundo, incutindo nas crianças a capacidade e a responsabilidade de intervir na preservação da Natureza. "Os pais que procuram o nosso jardim-de-infância desejam que os seus filhos tenham uma formação com mais liberdade e em harmonia com a Natureza, saudável para o corpo, a alma e o espírito."

Para a directora do Jardim Infância Viva, o sistema Waldorf não é só uma pedagogia, é também um método e uma atitude que tem a ver com uma forma global de encarar o Mundo. "É importante dar tempo e espaço suficientes para uma aprendizagem sem competição e sem pressas. A pedagogia Waldorf é um movimento mundial com uma forte abordagem multicultural, que torna as crianças mais autónomas e responsáveis, com consciência étnica e respeito pela diversidade, procurando formas de se integrar e participar numa sociedade saudável", explica.

No Jardim Infância Viva, a alimentação é constituída por pratos vegetarianos e o ambiente é internacional, mas Eva assegura que o ensino tem como base a língua e a cultura portuguesas.

É precisamente nesta questão que se reflecte a única preocupação relativamente a esta pedagogia manifestada por Teresa Vasconcelos, directora do Departamento de Educação de Infância e Especializações Educativas da Escola Superior de Educação de Lisboa. "O modelo de Waldorf é interessante, nomeadamente porque é contracorrente e procura uma pedagogia alternativa, mesmo ao nível da alimentação. Mas, obviamente, não será indicada para todas as crianças, porque é necessário que as próprias famílias também se encontrem inseridas nessa lógica de pensamento, seguindo um estilo de vida alternativo, com menor consumismo e maior ligação à Natureza."

Teresa Vasconcelos entende também que na aplicação ao contexto português, a pedagogia de Waldorf deveria ultrapassar os aspectos específicos do país de onde é originária (Alemanha). Deveria ser "mais permeável à realidade portuguesa e às nossas tradições, fazendo uma maior aculturação ao contexto português", afirma a responsável.

Fundada por Rudolf Steiner em 1919, em Estugarda, na Alemanha, inicialmente através de uma escola para os filhos dos operários da fábrica de cigarros Waldorf-Astória, a pedagogia de Waldorf distinguiu-se desde o início por ideais e métodos pedagógicos até hoje considerados revolucionários.

Actualmente existem mais de 700 escolas em todo o Mundo que trabalham com a pedagogia de Waldorf, sendo que em Portugal apenas os dois jardins-de-infância referidos neste artigo e uma escola de educação especial, em Seia, recorrem a esta pedagogia.

terça-feira, 15 de Janeiro de 2008

O Jardim de Infância Waldorf

O Jardim de Infância Waldorf é a extensão do lar das crianças. Sua estrutura física comporta todos os elementos de uma casa num ambiente aconchegante do “lar” ( móveis, utensílios domésticos de brinquedo em madeira, panos de algodão tingidos com pigmentos naturais, sementes, cestos de palha, plantas, bonecas de pano, tocos de madeira em diversas formas e tamanhos).

Assim, os trabalhos do dia-a-dia, actividades puramente humanas, são realizadas pela educador com a ajuda das crianças: limpar e arrumar a sala, lavar e passar roupa, cozinhar, cuidar do jardim...

Também outros trabalhos são feitos de acordo com a necessidade individual das crianças e a época do ano: costurar, bordar, fazer trabalhos com madeira, por exemplo, fazem parte destas actividades que cada criança, conforme sua destreza, ajuda a realizar. Todos os trabalhos têm uma finalidade e são utilizados posteriormente pelas próprias crianças.

Agrupando um número limitado de crianças na intenção de reproduzir o ambiente familiar com irmãos de idades diferenciadas, onde os grandes têm a responsabilidades e tarefas mais amplas, inclusive zelar um pouco pelos menores.

segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008

Quem foi Rudolf Steiner?

Rudolf Steiner. Em 27 de fevereiro de 1861, nascia em Kraljevec, Áustria, Rudolf Steiner. Apesar de seu interesse humanístico, despertado ainda na infância por uma sensibilidade para assuntos espirituais, cumpriu em Viena, a conselho do pai, estudos superiores de ciências exatas. Por seu desempenho acadêmico, a partir de 1883 tornou-se responsável pela edição dos escritos científicos de Goethe na coleção Deutsche Nationalliteratur. Convidado a trabalhar no Arquivo Goethe-Schiller em Weimar (Alemanha), Steiner transferiu-se para essa cidade em 1890, onde residiu até 1897. Ali desenvolveu um grande interesse cognitivo e uma conseqüente atividade literário-filosófica, sendo dessa época sua obra fundamental A filosofia da liberdade (1894). Após alguns anos em Berlim como redator literário, passou a dedicar-se a uma intensa atividade de conferencista e escritor, no intuito de expor e divulgar os resultados de suas pesquisa científico-espirituais, de início no âmbito da Sociedade Teosófica e mais tarde da Sociedade Antroposófica, por ele fundada. Steiner morreu em Dornach (Suíça), em 1925, deixando extraordinárias contribuições nos campos das artes, da organização social, da pedagogia (Waldorf), da medicina, da farmacologia, da agricultura, da pedagogia curativa, etc.

domingo, 13 de Janeiro de 2008

Bibliografia Básica

OS TEMPERAMENTOS - Norbert Glas

A PEDAGOGIA WALDORF - Rudolf Lanz

A NATUREZA ANÍMICA DA CRIANÇA - Caroline von Heydebrand

O MISTÉRIO DOS TEMPERAMENTOS - Rudolf Steiner

A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA SEG. A C. E. - Rudolf Steiner

OS CONTOS DE FADAS - Rudolf Steiner

A ARTE DA EDUCAÇÃO (Vol. I)(Vol. II)(Vol. III) - Rudolf Steiner

IRMÃOS E IRMÃS - Karl König

DESVENDANDO O CRESCIMENTO - Bernard Lievegoed

NOÇÕES BÁSICAS DE ANTROPOSOFIA - Rudolf Lanz

ANDAR, FALAR, PENSAR / A ATIVIDADE LÚDICA

A PRÁTICA PEDAGÓGICA - Rudolf Steiner

ANTROPOLOGIA MEDITATIVA - Rudolf Steiner

sábado, 12 de Janeiro de 2008

“A Cultura da Infância”

“A Cultura da Infância”

PALESTRA COM LUÍZA LAMEIRÃO

15 de Janeiro de 2008, às 20:00h

Quinta das Murtas – Sintra

Pedagoga formada pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Luiza Helena Tannuri Lameirão dedicou-se inicialmente à educação de crianças da primeira infância.

Em 1979 tomou contacto com a Pedagogia Waldorf e começou a dedicar-se à prática em sala de aula e formação de professores e educadores para iniciativas sociais.

Actualmente é professora e coordenadora do Centro de Formação de Professores Waldorf em São Paulo. Lecciona como docente convidada em diversos cursos de fundamentação em Pedagogia Waldorf no Brasil, cursos de pós-graduação e formação, tanto para profissionais da educação como da área da saúde.

20:00 – Início da Palestra

(Por favor compareça pontualmente)

21:00 – Encerramento musical ao som do violoncelo com Halina Berezowaska

Contribuição: € 5

É favor confirmar a sua presença para

Patricia Rainho – Tel. 931 411 416


sexta-feira, 11 de Janeiro de 2008

Société anthroposophique en France

Rue de la Grande Chaumière, siège 2 et 4 75006 Paris Téléphone : 01 43 26 09 94 Fax : 01 43 54 93 15 E-mail: contact@anthroposophie.fr

quarta-feira, 9 de Janeiro de 2008

Sociedade Antroposófica no Brasil

Rua da Fraternidade, 156
Alto da Boa Vista, Sto. Amaro

04738-020 São Paulo, Brasil

Tel. +55 11/5687-4252, /5523-0537


sab@sab.org.br

terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

Sociedade Antroposófica em Portugal

Quinta São João dos Montes
2400 Alhandra

Tel. +351 21 951 20 92
Fax +351 21 358 07 06

antroposofia@mail.net4b.pt

segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

Pedagodia Waldorf

O que distingue a Pedagogia Waldorf de outras teorias pedagógicas é o fato de ela se basear numa observação íntima do “ser criança” e das condições necessárias ao desenvolvimento infantil.

Existentes em cerca de 500 estabelecimentos de vários países e quase todos os continentes, as escolas Waldorf têm-se dedicado a propiciar à sociedade humana jovens dotados de grande criatividade, discernimento e autoconsciência, capazes de melhor contribuir para os destinos do mundo - à medida que compreendem o seu próprio sentido existencial.

domingo, 6 de Janeiro de 2008

Bonecos Waldorf

Dois bonecos waldorf.

Dois bonecos waldorf.

Um boneco Waldorf parece-se com uma criança, é normalmente simples por forma a incentivar a criatividade e imaginação das crianças. Tem diversos pormenores: pernas, braços e nariz, permitindo posturas naturais. É normalmente construída com materiais naturais.

O nome derivada da sua utilização generalizada em Pedagogia Waldorf.

Para a Pedagogia Waldorf, a boneca tem uma importância e intimidade no brincar infantil que não ocorre com os outros brinquedos. Independentemente de idade ou sexo,a boneca acompanha a criança em todos os seus caminhos, na cama , no brincar, no consolo de suas tristezas e nas suas alegrias. A criança não estabelece este relacionamento com uma bola ou um carrinho. Por isso, a boneca deve ser confeccionada com materiais naturais que ela possa pegar e abraçar.

Porque brincar com bonecas?

Brincar com bonecas ajuda a criança a conhecer o meio ambiente. Desenvolve a actividade sensorial, tacto, movimento e equilíbrio. Transmite para a criança a vivência do seu próprio ser. A boneca se converte em sua companheira. Transmitindo presença humana, fazendo com que a criança não se sinta só. Na vivência com sua boneca, o ser humano aprende a conviver com outras pessoas.

A Boneca Pedagógica

Boneca Waldorf Nina Veiga confecionada com algodão orgânico e lã de carneiro


Boneca Waldorf confeccionada com algodão orgânico e lã de carneiro

A boneca deve ser um espelho da criança, onde se reflecte sua anatomia e características étnicas. Se for morena, a boneca também o será, se loira seus cabelos devem ser loiros, assim sucessivamente. Sem ser esta ideia impedimento para que a criança possa brincar com bonecas de outras raças. Pelo contrário consideramos de grande importância, por ser um planeta multi étnico, que já quando criança e através do brincar, se aprenda a conviver com todas as etnias da raça humana.

O boneco tem uma importância no brincar infantil, principalmente dos meninos, que não ocorre com os outros brinquedos. Para os meninos, o boneco é um companheiro, um amigo muito próximo de seu coração. Acompanha-o em todos os seus caminhos, na cama , no brincar, no consolo de suas tristezas e nas suas alegrias. O menino não estabelece este relacionamento com uma bola ou um carrinho. Além disso, boneco que for presenteado pelo pai, colabora para a quebra de estereótipos machistas que atrapalharão a criança em suas relações sociais e familiares quando adulto.

Por que as bonecas são confeccionadas com material natural?

O contato da criança com o corpo da boneca tem de imitar ao máximo a consistência do corpo do ser humano. Possibilitando assim uma maior aproximação e aconchego por parte da criança.

sábado, 5 de Janeiro de 2008

Hans Harres

Se a criança convive com críticas, aprende a condenar.
Se a criança convive com a hostilidade, aprende a brigar.
Se a criança vive ridicularizada, aprende a dissimular.
Se a criança convive com a culpa, aprende a sentir-se culpada.
Se a criança conhece a tolerância, aprende a ter paciência.
Se a criança é encorajada, aprende a ter confiança.
Se a criança é elogiada, aprende a valorizar.
Se a criança é tratada com perdão, aprende a ser justa.
Se a criança vive com sentimentos seguros, aprende a elogiar.
Se a criança sente-se aprovada, aprende a se valorizar.
Se a criança convive com aceitação e amizade, aprende a encontrar amor no mundo.

sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

5º Workshop: "Pedagogia Waldorf: Aprender a Ser"

Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural (Lisboa)

26 Janeiro 2008

A Pedagogia Waldorf nasce na sequência do movimento cultural criado por Rudolf Steiner no início do séc. XX, chamado Antroposofia, que significa “a sabedoria do homem enquanto ser composto por corpo, alma e espírito”. Em Setembro de 1919 nasce a primeira escola Waldorf, uma escola livre, de auto-gestão, que aceita crianças de todos os estratos sociais e se inspira nas três máximas da revolução francesa: liberdade, igualdade e fraternidade.

A Pedagogia Waldorf procura passar o conhecimento às crianças, primeiro através da experiência e só depois através do conceito.

Os seus objectivos são: dar liberdade; criar entusiasmo, encanto e reverência pela aprendizagem; respeitar a criança como ser pensante e artístico e mais tarde, actuante; dar tempo e espaço suficientes para aprender sem competição e sem pressas.

A Pedagogia Waldorf permite proteger a infância para que esta possa ser plenamente vivida e respeitar cada criança como indivíduo, ajudando-o a desenvolver as suas capacidades únicas e a encontrar formas de se integrar e participar numa sociedade saudável.

A Pedagogia Waldorf é considerada o maior movimento pedagógico independente do mundo. Existem actualmente mais de 730 escolas livres espalhadas por mais de 50 países. Em muitos países como por exemplo Austrália, Canadá, Dinamarca, Holanda, Rússia, Suécia, estas escolas são subsidiadas pelo próprio Estado.

As escolas Waldorf trabalham com um curriculum base estabelecido por Rudolf Steiner, e desenvolvido através de boas práticas pedagógicas. O curriculum é internacional e tem sido adaptado com sucesso a uma grande variedade de contextos culturais em todo o mundo.

A abordagem multi-cultural, o amor à diversidade e uma forte consciência global, fazem com que este método pedagógico tenha obtido o reconhecimento da UNESCO.

Objectivos

Sensibilizar os participantes para a corrente pedagógica Waldorf e do seu contributo para a formação integral do ser humano.

Conteúdos Programáticos

* Breve resenha histórica;

* Descrição dos príncipios básicos;

* Visão do Homem (antropologia) e do seu desenvolvimento;

* Apresentação de alguns exemplos da didáctica. Metodologia

Local: Jardim Botânico da Faculdade de Ciências de Lisboa

Formadores

Ana Abreu - Educadora Waldorf
- 1974-77 Frequência do ISPA;
-1981-83 Curso de Jardineira de Infância Waldorf no Emerson College e Wynstones School (Inglaterra);
-1983-84 Lecciona Pedagogia Waldorf no Michael Hall;
-1984-91 Inicia e lecciona Pedagogia Waldorf no Jardim de Infância São Jorge (Lisboa);
-1991-94 Curso de Terapia Artística na Tobias School of Art (Inglaterra);
-1994-97 Curso de formação em Biografia Humana em São Paulo (Brasil);
-Trabalha na Artemísia como terapeuta artística e coordenadora de cursos Biográficos;
-1999 Co-fundadora do Curso de Formação em Pedagogia Waldorf onde ainda hoje lecciona;
-2000-2005 Trabalha como educadora no Jardim de Infância S. Jorge.

Michael Philip Motteram - Escultor (Inglaterra)

-1981-82 Foundation Year em estudos Antroposóficos, 1986-89 Formação em escultura no Emerson College (Inglaterra);

-1982-03 Trabalho em comunidades terapêuticas para deficientes, diversas actividades artísticas na Alemanha, em Itália e na Escócia ;

-2004 Muda-se para Portugal, para trabalhar como escultor. Monta o estúdio onde também dá cursos de escultura e modelagem.

Nº de Vagas: 30

Data e Horário: 26 Jan. 2008 (sábado), das 9.30 às 18.00h

Destinatários

- Profissionais com intervenção na área da Educação ou da Saúde da Criança,
- Estudantes de cursos das áreas da Educação ou da Saúde.

- Pais e Encarregados de Educação

Preço de Inscrição

Até 18/01/2008 - 75 €; Após 18/01/2008 - 100 €

Possibilidade de efectuar o pagamento com 2 cheques pré-datados (30 Dezembro 2007 e 30 Janeiro 2008).

Nota: O cheque deve ser passado à ordem de Oficina Didáctica e enviado juntamente com a ficha de inscrição.

Se preferir efectuar o pagamento por transferência bancária, por favor solicite-nos o NIB.

(Caso a inscrição não seja aceite, os valores pagos serão devolvidos).

Organização e Secretariado

Oficina Didáctica
Rua D. João V, nº 6 B (ao Rato)
1250-090 Lisboa
Tel.: 21 387 24 58
Email: info@oficinadidactica.pt
www.oficinadidactica.pt

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ficha de Inscrição

(Copie esta ficha de inscrição para o Word, preencha-a e envie juntamente com o cheque)

Nome |__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|

Morada |__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|
Localidade |__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|

Cod. Postal |__|__|__|__| - |__|__|__| |__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|

Email |__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|__|
Tel. _________________ Telemóvel _____-____________ Profissão: ________________________________

Local trabalho _______________________________________________________ Tel. __________________


Pretendo inscrever-me no Workshop:

“Pedagogia Waldorf: Aprender a Ser" - (26 Jan. ’08)

Junto envio Cheque
Cheque __________________ do Banco ________________ no valor de __________€ de ____/____/___

Cheque __________________ do Banco ________________ no valor de __________€ de ____/____/___

Data: ___/___/ ___ Assinatura: __________________________________

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 3 de Janeiro de 2008

As Quatro festas

A Páscoa, São João e a Lanterna, São Micael e a Primavera, São Nicolau e o Natal

Desde os tempos antigos, os povos festejam o movimento cíclico de fenómenos da Natureza: os solstício de verão e inverno e os equinócios da primavera e do outono. Em cada um deles, as forças divinas actuavam e se manifestavam directamente na natureza, influenciando no clima, na vegetação (colheitas), nas marés, no curso dos astros, entre outros.

O ritmo anual, dentro do Jardim Waldorf, é vivido por essas quatro grandes épocas.

Utilizando as estações como “pano de fundo”, o educador desenvolve seu planeamento anual permeando as actividades com o conteúdo anímico respectivo de cada festa. Cada uma delas possui um conteúdo arquétipo que nos alimenta animicamente. A criança absorve esses conteúdos de forma mais “natural” pois tem mais facilidade de lidar com as imagens simbólicas, uma vez que ainda não tem capacidade interpretativa e não tem tendência a intelectualizar essas vivências.

Portanto, devemos organizar os festejos de tal forma que as qualidades da bondade, beleza e verdade estejam sempre presentes.

Assim, serão sempre motivo de alegria, entusiasmo e gratidão.